terça-feira, janeiro 31, 2006

Os fantasmas estão de volta....



O nosso querido «investigador» do Instituto Universitário Europeu (que continuo a não encotrar na página da referida instituição) brinda-nos hoje no Diário Económico com mais uma bela prosa.

Começa por mais uma análise às consequências da vitória de Cavco, nada de novo, já tudo o que ele diz tinha sido dito aqui e aqui, .. realmete a frase:
«terá a tentação de tutelar o seu espaço político. Ora, como experiências simétricas o demonstraram, nenhuma direcção partidária gosta de ser tutelada desde Belém e, principalmente, é difícil que, na oposição, se sobreviva a essa tutela» é bonita mas nada acrescenta de novo.

Depois começam os disparates:
«de Cavaco Silva pode representar, a esse propósito, uma mistura do pior do eanismo (a desconfiança face aos partidos) com o pior do soarismo (a tutela do seu espaço político).»
Desconfiar dos partidos é pecado, só se for para ele pq assim não pode simplesmente dizer-se democraticamente superior porque pertence a um partido e quanto ao pior do soarismo (olha tinha coisas más, não parecia aqui) é tutelar o espaço político, pois como novo pato-bravo quer afirmar-se face aos outros e subir rapidamente na boa tradição aparelhistica dos partidos.

Depois diz «A soma do resultado de Cavaco Silva com o de Manuel Alegre sublinha também o mal-estar face aos partidos», mas meu caro senhor a maior parte das pessoas que votaram no Cavaco era de centro-direita/direita, votaram no candidato que o partido indicou.

a seguir: «efeito carruagem, produzido pela deslocação de votos do centro-esquerda nas últimas legislativas para o centro-direita agora», mas qual efeito carruagem? Cavaco teve os 50% que costuma ter, sem ele o PSD vale menos 10%, ou não parendeu nada das vitórias autárquicas do PS com Sampaio e a derrota nas legislativas...

aqui:
«o divórcio entre sociedade e políticos. Muitas das vezes, esse divórcio ocorre pelas piores razões»
insinua que todo o independente é populista demagógico.

aqui:«PS. Dando sequência a longos meses em que geriu a questão presidencial, literalmente, com os pés» é verdade, mas não foi ele que depois d tudo o que o PS fez cria um blog de defesa de um candidato, mas reparem que nunca assumiu em todo a crónica qq responsbilidade.

a seguir:« o PS incorre nos erros do passado. Fingir que nada se passou, é a pior das opções», mas o que é qie ele propõe, uma purga no PS ou um olhar para a sociedade civil? Diz que tem de intrepretar, sim tá bem, mas PROPOSTAS EM CONCRETO? ZERO.

e finalmente: «viver o regresso do PRD. Hoje, como então, nada de bom daí resultará» , pois meu caro só falta o fantasma, quando o lugar no partido está em causa lá vêm com os papões, da última vez o história do papão deu no que deu... ...e como conciliar isto com a frase anterior «Se em nada mudarem, no médio prazo, quer PSD, quer PS serão inevitavelmente vítimas deste caldo cultural», pressupõe-se refundação ou substituição dos partidos, mas porque é que isso haveria de ser mau? Só para os que estão agora instalados nas cadeiras, não?

1 comentário:

JAC disse...

Verde futuro?


Governar a Rosa... JOB for de EX
E depois das Presidenciais...
http://sal-portugal.blogspot.com/
JAC – Sal de Portugal